THE LOOK OF THE YEAR 2018

Conheça os Vencedores de 2018!

JULIA B.

Criada em uma granja na cidade de Paraí, no estado do Rio Grande do Sul, Julia B., 15 anos, tinha um sonho: ser veterinária. Enquanto isso, sua família sempre disse para a menina que ela deveria tentar a carreira de modelo e, depois, estudar para veterinária. Mas Julia não acreditava que poderia ser uma daquelas mulheres lindas que ela via nas revistas e passarelas por meio da televisão, apesar de também sonhar com isso.

O que ela não sabia, por morar um pouco distante da capital gaúcha ou de centros urbanos, é que esse sonho estava muito mais perto do que ela poderia um dia imaginar.

Por meio das redes sociais, Julia foi encontrada por um scouter da filial da Joy de Porto Alegre que a convidou para participar do The Look of the Year 2018, maior seleção de modelos do mundo. E o resultado foi surpreendente para a menina do interior gaúcho: Julia Bregalda conquistou o primeiríssimo lugar na seletiva final nacional que aconteceu em São Paulo.

Ainda sem experiência, Julia passou por ensaios fotográficos, castings internacionais, palestras e outras atividades que deram a ela um dos primeiros contatos com o mercado da moda.

Julia, agora modelo da Joy, disse que a experiência em São Paulo foi ótima porque ela pôde conhecer pessoas do mercado e saber um pouco mais como tudo funciona.

“Agora quero focar na minha profissão e realizar meu maior o sonho: ser uma angel da Victoria Secret”, finaliza.

JENNIFER L.

Aos 19 anos, a modelo Jennifer L., classificada em segundo lugar no The Look of the Year  2018 deixa claro que veio para focar na carreira. Filha de uma antiga auxiliar de limpeza que trabalhou muito para se tornar educadora, a menina natural da cidade de São Luiz, no Maranhão, tem a mesma garra da mãe.

Aos 14 anos, Jennifer veio a São Paulo para fazer testes em agências e foi aprovada por nove agências. Mas preferiu terminar o ensino médio para focar na carreira de modelo um pouco mais tarde. Entre os 15 e 19 anos, Jennifer fez trabalhos na sua região como desfiles e editoriais de moda. Participou de um concurso de miss e foi eleita Miss Maranhão.

Mesmo assim, foi este ano, ao receber uma propaganda da seletiva do LOTY 2018, que ela realmente decidiu tentar a realização de seu maior sonho: ser modelo. Jennifer participou da seletiva local do Maranhão, veio para a final em São Paulo e, para sua surpresa, acabou abocanhando o segundo lugar.

A modelo, que já assinou contrato com a Joy Model, está cursando Letras/Inglês na universidade porque segundo ela, além de ser um curso do seu gosto, aprender inglês é fundamental para a carreira de modelo. “Uni o útil ao agradável”.

Para a maranhense, a experiência de participar do The Look, dos ensaios fotográficos em São Paulo e dos castings internacionais na Joy foi única e de muito aprendizado. Assim como todas as modelos iniciantes, suas maiores expectativas são fazer carreira fora do país. Se tornar uma modelo internacional, se formar na universidade, e bem mais para a frente, casar e formar uma família.

Outra coisa também não está fora dos planos de Jennifer.

“Se eu dia eu precisar parar de modelar, adoraria fazer teatro”, conclui a modelo.

MAISA S.

Filha de agricultores e estudante de período integral, a pernambucana que quase não tem contato com Internet ou redes sociais por morar numa cidade muito pequena, no interior de Pernambuco, Maisa S., 16 anos, sempre quis ser modelo. Ela não queria pensar em seguir nenhuma outra carreira. E correu atrás até chegar lá.

“Tudo começou em 2016, quando minha avó Edna e eu estávamos assistindo a um anúncio na TV de caça talentos, então pedi a ela que me inscrevesse nesse evento que seria realizado na cidade de Petrolina-PE, lá participei de palestras e assim vieram os primeiros desfiles. Após trinta dias, saiu o primeiro resultado e fui aprovada, naquele momento havia em mim um misto de emoções; eu chorava, gritava, ria… meu sonho de fato estava começando a se realizar. Em setembro de 2017 fui convidada a participar de um workshop em Salvador – BA, onde fui entrevistada e desfilei para dez agências de modelo, sendo aprovada em seis, inclusive a Joy Model. Devido às condições financeiras, vovó Edna conversou com Luciano Spinelly e ele me encaminhou para o TC Fashion, agência parceira da Joy em Recife, fui escolhida para participar do The Look Of The Year em São Paulo e lá consegui ser uma das vencedoras da maior seleção de modelos do mundo em sua etapa nacional, me classificando em terceiro lugar”.

Foi assim, que nas palavras de Maisa Sá, seu sonho de ser modelo se realizou. Daqui para a frente, a pernambucana diz que vai se mudar para São Paulo no início do ano que vem e focar na carreira. Ela quer sair do país para ser uma modelo internacionalmente conhecida como qualquer outra e conta que os dias que passou em São Paulo durante a seleção final foram de extrema importância para se familiarizar com o mercado da moda e de modelos.

Maisa quer desfilar, fazer capas de revistas, editoriais e como muitas meninas da idade dela, seu sonho é também ser uma angel da Victoria Secret.

FILIPE F.

O Brasil é o único país que realiza o The Look of the Year na versão masculina. As chances são ainda menores do que para as meninas pois são menos vagas, mas Filipe F. acreditou e foi em frente. Aos 17 anos, o sergipano de Aracajú, filho de uma dona de casa com um funcionário público, Filipe França, foi o grande vencedor da final do The Look of the Year 2018.

Desde menino, sua família apoiou o sonho do garoto. Ele conta que sua mãe via um potencial para a carreira na moda uma vez que Filipe é uma mistura e tanto de raças, que deu num excelente resultado de acordo com opinião da mãe e dos jurados da seleção.

Entre oito garotos selecionados, Filipe se destacou por sua aparência, diversidade e autenticidade. Para ele, a semana que passou em São Paulo se preparando para a final nacional foi espetacular: “Tive a chance até de falar inglês nos castings internacionais e, principalmente, vivenciar o dia a dia do mercado”, além de ter tido importantes dicas e ensinamentos sobre a carreira.

Filipe acredita também que um bom modelo não é apenas um rosto bonito: “Temos que ser únicos, ter foco, disciplina e muita personalidade”, conclui o novo modelo da Joy Model.

E ele não para por aí não. E como todos os modelos, suas expectativas não são surpresa: construir uma bela carreira internacional, desfilar para marcas como Gucci e Calvin Klein (seus favoritos) e, mais velho, se dedicar ao estudo da Psicologia ou da Neurociência.